Dicas

Você sabe dizer NÃO?

Ouço sempre das pessoas: “não sei dizer não”; “as pessoas chegam no meu trabalho com rifa, ou bijuteria ou sanduiche e compro tudo. Não consigo dizer não”.

“Sou eu que resolvo tudo na família, fico sobrecarregada, não sei dizer não”.

“A filha de meu irmão vai casar, não tenho roupa de casamento, não tenho nem muita intimidade com ela. Vou ter despesa extra de gasolina, pedágio,  porque não sei como dizer a ele que não vou. Que não posso gastar com esse extra.”

Já se viu em alguma dessas situações? Ou conhece alguém que já passou por isso?

Se você não sabe dizer não acaba aceitando coisas que lhe fazem mal e sempre se arrepende.

Cuidado, o mundo está cheio de gente folgada que desconsideram a linha do limite.Ou será você que não delimita essa linha?

Acolhe todas as tarefas no trabalho, o chefe lhe sobrecarrega porque sabe que você dará conta, o marido, a família do marido, a sua família. Se você está feliz e acha que está tubo bem, ok.

Mas você fica irritada, cansadíssima por ter de dar conta de suas tarefas e da dos outros, se sente sobrecarregada, chora arrependida e se pergunta: “Droga! Porque não consigo dizer NÃO”? E acaba ficando doente. Então vamos rever essa conduta?

Vamos aqui montar uma estratégia de autoconhecimento.

Sabemos o que temos que fazer, mas não executamos o que sabemos.

Pegue um lápis e um papel. Recolha-se num ambiente tranquilo. Sente-se, feche os olhos e silencie por alguns instantes. Responda a essas perguntas:

  • Qual a historinha que você conta para vocêepara os outros para ter esse comportamento que está lhe incomodando? Quero ser o bem-amado? Quero ser aceito? Não quero me sentir rejeitado?
  • Todo comportamento tem uma intenção positiva. Descreva a intenção positiva? O que ganha não saber dizer NÃO?
  • Ajudaria ter clareza e foco do que quero? E o que quero?
  • Organizar tarefas em uma agenda para consultar se posso ou não realizar coisas para ao outros, ajudaria?
  • Como seria se eu soubesse dizer NÃO? Como me sentirei?

Permita-se entrar em contato com essas sensações.

Espero ter contribuído para você entrar em contato com a sua outra parte.

Com carinho, Inês Bruno.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *